Sábado, 31 de Março de 2007
Para un amigo

 

Tierra le dórun

Al miu amigo.

Daba l reloijo las cinco

I spreitaba l més de Abril,

La tierra dura abrie

Sues antranhas.

La sepultura.

 

Caminos de suonhos

Scuros lhapes, montes, scalones,

Altares de speranças i recordaçones,

Eimaiges antigas,

Quimeras rosadas,

Longe...

 

Daba l reloijo las cinco

Nun sinal seco i pesado.

Solo amarga tierra

Dórun

Al miu amigo.

Al baixar a la fóia

L caixon cansado

Oubiu-se l siléncio:

- Tu, que yá solo sós selombra

Drume i çcansa

Paç al tou cuorpo anteiro

Sossego a la tue alma,

Drume l suonho berdadeiro,

Para siempre.

 

L cielo puro i azul.

Solo amarga tierra

Dórun

Al miu amigo.



Scrito por António Bárbolo Alves às 01:03
Link de l post | Comentar | Acrecentar als faboritos
|


Saber neste blog
 
Dezembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Últimos posts

Outro blogue

L sabor de las palabras

L cura i la criada

L nino Jasus de la Cartol...

L problema de las lhéngua...

L sermon (ua cunta)

Alguas nomeadas

Quadras populares

Folhetos

L populismo i l pobo

Arquibos

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds