Segunda-feira, 26 de Fevereiro de 2007
Malhadas - II

Eiqui queda l fin de la stória.

Alhá fui chamado anton al tribunal, l tal pobre. Mas d'quilho preguntórun-le: "Tu...diç que... Nós nun bimos nada, nós só bimos alhi l home que staba abanandol canastro". Era l cochino mas futuraba un canastro porque tinha ua colcha por riba. An todo causo dórun parte del, i diç anton l juiç, anton l juiç para el, diç:

Bom, olha lá, tu nun sabes de que stás acusado neste tribunal?

Diç: "Nó". Diç. " Nun sei".

Bom, mas vou-te eu dizer porque estás acusado neste tribunal.

Olha, estás acusado neste tribunal porque diz que roubeste un cochino.

I diç-le l tiu, diç:

Nun roubei, senhor juiç. Diç: You cumprei l cochino onde l senhor juiç comprou l sou.

Stás absolbido. Bai-te ambora. 



Scrito por António Bárbolo Alves às 11:09
Link de l post | Comentar | Acrecentar als faboritos
|


Saber neste blog
 
Dezembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Últimos posts

Outro blogue

L sabor de las palabras

L cura i la criada

L nino Jasus de la Cartol...

L problema de las lhéngua...

L sermon (ua cunta)

Alguas nomeadas

Quadras populares

Folhetos

L populismo i l pobo

Arquibos

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds